LITERATURA INFANTIL COM PROTAGONISTAS NEGROS ABRE NOVOS HORIZONTES

Publicados por pequenas editoras, selos independentes e até grandes casas editoriais, livros infantis com protagonistas negros, escritos por autores não brancos, são um segmento consistente no Brasil atual. “A gente tem muita oferta”, afirma a pesquisadora e blogueira Luciana Bento (foto em destaque), especialista no tema.
Segundo Luciana, um dos fatores que elevaram a produção desse tipo de conteúdo foi a inclusão do estudo das culturas afro-brasileiras no currículo escolar, definida por lei, em 2003. “Tivemos um boom de publicações com personagens negros”, afirma, ao comentar o impacto da medida.
Proprietária da Africanidades, livraria especializada em autores negros, Ketty Valêncio confirma que há não só um bom número de títulos disponíveis, como publicações que atraem cada vez mais o interesse. “É um mundo muito rico, e tem muita gente procurando”, destaca. É um momento que abre oportunidades que ela mesmo não teve. “Eu penso muito na minha infância. Minha introdução à literatura foi através dos itãs dos orixás. Minha geração desconhecia literatura infantil com recorte étnico-racial.”
O contato com os itãs - contos tradicionais da cultura ioruba - ajudaram a abrir as perspectivas de Ketty quando ainda era criança. “Eu me reconhecia nelas, mulheres pretas incríveis”, diz, sobre impressões deixadas pelas histórias das orixás femininas que conheceu nessa época. É justamente uma ampliação dessa oportunidade que ela enxerga nas infâncias negras no Brasil de hoje. “A literatura infantil é o início de um acolhimento, porque ali você trabalha diversas questões que vão ocorrer na sua vida adulta: autoestima, pertencimento, orgulho da sua história, de onde você vem, da sua ancestralidade.”
Pensando nisso, a professora e pesquisadora Evelin Oliveira se esforça para trabalhar histórias com esse recorte na escola onde dá aulas para crianças, em Carapicuíba, na Grande São Paulo. “No meu planejamento anual, trabalho desde o primeiro dia a vertente da diversidade étnico-racial, com foco na construção dessa identidade. Porque são crianças de 4 a 5 anos e, neste momento, a diversidade precisa estar presente o ano inteiro e não somente em novembro”, afirma, sobre o processo educacional que desenvolve, levando, inclusive, jogos que ela mesmo cria.
Fonte: Agência Brasil


 Voltar
Boleteen - Colégio 24 Horas